posts recentes

...

21 anos de nós 2... 4 ano...

Os homens deviam nascer m...

Vai correr tudo bem

Eu sei que não tem sido f...

O meu primeiro dia de esc...

Aqui vamos nós

A magia da arte

A caminho

Mães quase perfeitas

Laçada#1

Dizem que os opostos se a...

Simplicidade

Há muito tempo...

Limites

Há dias assim...

A Vida de Adèle

Objectivos#6

Aprender a amar(-me)

Objectivo#5

arquivos

Fevereiro 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008

The End

É com alguma pena e já com alguma saudade que termino este blog.

Um blog que é parte de mim... bem mais do que eu queria que fosse.

Mas por vezes é necessário morrer-se para voltar-se a nascer de novo.

Sou assim, é verdade: radical, teimosa, quero sempre mais e melhor e, quando já não me é possível acreditar no belo da vida e das pessoas, deito no caixote do lixo o que escrevi, esborrato o que pintei, apago números de telefone, rasgo fotos... morro e tento voltar a nascer de novo

Cuspo a mágoa e com ela faço um casúlo, deixo-me lá estar durante algum tempo (o meu tempo de reflexão) até... nascer borboleta da larva.

Vou tentar espremer o melhor do pior desta laranja... fica-se sempre com menos do que se julgava ter mas... junta-se ao resto, ao que já temos, ao que conquistámos e que o tempo e as divergências não deixou apodrecer.

As laranjas que já nascem podres e aquelas que o tempo apodrece vão sempre existir... é por isso que preciso deste meu casúlo... para voltar a ser capaz de aceitar, de acreditar e de ver o que é realmente válido, verdadeiro, genuíno, natural, que vale a pena e... poder voltar a ver o mundo com olhos de borboleta.

 

(Não posso deixar de agradecer a quem por aqui passou, quem apenas leu, quem leu e comentou, quem despoletou o que escrevi...)


Escrito por zita às 13:43

link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De primanocte a 20 de Fevereiro de 2008 às 14:56
O quê? Mas isso é assim?

Reconsidera...


Comentar post

Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


tags

todas as tags