posts recentes

...

21 anos de nós 2... 4 ano...

Os homens deviam nascer m...

Vai correr tudo bem

Eu sei que não tem sido f...

O meu primeiro dia de esc...

Aqui vamos nós

A magia da arte

A caminho

Mães quase perfeitas

Laçada#1

Dizem que os opostos se a...

Simplicidade

Há muito tempo...

Limites

Há dias assim...

A Vida de Adèle

Objectivos#6

Aprender a amar(-me)

Objectivo#5

arquivos

Fevereiro 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

Desaba(fos)#3

Existe o hábito de se dizer que só damos valor às coisas e às pessoas quando as perdemos.

Vimos muitas vezes pessoas arrependidas de não terem dito aquela pessoa o quanto gostaram dela em vida.

Por incrivel e pretencioso que pareça, há pessoas das quais me lembro quase todos os dias... é estranho eu sei... mas é a mais pura das verdades.

Por vezes até fico assustada com a forma como estão sempre tão presentes e tão longe fisicamente. Entram nos meus sonhos, ou o quotidiano, mesmo sem eu querer, me remete para elas.

Não sou mulher de grandes palavras, de grandes abraços, de grandes beijos porque não gosto da vulgaridade, da banalidade, gosto de coisas especiais, únicas, originais. Espero que nunca nenhuma dessas pessoas tenha duvidado do quanto foi importante para mim mesmo que a presença dela tenha feito parte de 1 segundo ou 1 ano da minha existência.

E como não sei quando voltarei a ter oportunidade de mostrar ou dizer a estas pessoas o quanto me marcaram, aqui fica aquele abraço, aquele beijo, aquele obrigado:

 

aos meus irmãos: Luis e Cláudio_aos meus primos: Nelma, Neide, Patricia e Luis_aos amigos de infância (os primeiros)_Silvia, Ana, Sofias, Ivo, Alex, Piu-Piu, Rui, Pedro, Susana, Marinho, Toninho, Nuno_aos colegas de escola: Tânia, Patricia, Joanas, Pisca, Marta, Nuno, Catarina_às auxiliares: Roxana e Guida_aos amigos do Liceu: Susana, João, Marisa, Fifi_aos profs: India, Manuela Faria, Amílcar, Inácia, Álvaro_aos colegas da Mealhada: Bruno, Rodrigo, Sonia, Celeste, Inês, Nuno, Miguel, Rui_aos homens que amei: João, Hugo (Guinho), Ricardo, Hugo (Bicho), Michael (Bé)_aos que conheci através de outros: Carolina, Bruno, Tiago, Nico, Inês, Ana, Cecilia, Pedro, Miguel, Marta, Lara, Carlos_ao pessoal dos concertos: Rute, Cristina, Breaks, Nuno, Pedro, Diogo, Ratão, Rodrigo, Sega, Rui, Susana_aos colegas de trabalho: Mónica, Maria Oliveira, Susana, Fernando, António, Gualter, Gonçalo, Ana, André, Madalena, Pedro, Ofélia, Bárbara, Sónia, Fatinha, Carla, Sandra, Gisela, Paula, Marta, Carla, Carlos, Claúdia, Hugo, Nuno, Rui, Bruno, Paulo, Sónia.

Estou: nostálgica

Escrito por zita às 16:14

link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


tags

todas as tags