posts recentes

...

21 anos de nós 2... 4 ano...

Os homens deviam nascer m...

Vai correr tudo bem

Eu sei que não tem sido f...

O meu primeiro dia de esc...

Aqui vamos nós

A magia da arte

A caminho

Mães quase perfeitas

Laçada#1

Dizem que os opostos se a...

Simplicidade

Há muito tempo...

Limites

Há dias assim...

A Vida de Adèle

Objectivos#6

Aprender a amar(-me)

Objectivo#5

arquivos

Fevereiro 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Sábado, 6 de Setembro de 2014

Eu sei que não tem sido fácil

Eu sei que não tem sido fácil. Eu já não sou aquela menina. Por vezes dou por mim á procura daquele teu olhar à procura dos meus olhos verdes numa rua qualquer.

Conheci-te faz 21 anos. No primeiro dia de Liceu estava assustada com a quantidade de pessoas e metros quadrados. Perdida na falta de controlo tão diferente do Colégio de onde vinha. Atrapalhada com a liberdade excessiva ao meu dispor sem a saber usar. Num confronto de praxes tu apareces e dizes: - Essa miúda ninguém praxa que eu conheço! Eu sorri numa tentativa de sedução que nem eu própria sabia usar. O teu ar rebelde, de sardas na cara e sorriso no olhar como quem diz: entra no meu jogo, e eu acenei com a cabeça que sim, que já nos conheciamos e sorri de alívio. Um mês mais tarde pediste-me namoro e eu aceitei. Mais tarde confessaste-me que, efectivamente, já me conhecias. Que todos os dias me vias passar na rua x, ás tantas horas, com uma mochila y. Que te apaixonaste pelos meus olhos verdes e que quando me viste no Liceu nem querias acreditar que eu era a miúda que vias passar todos os dias e que desejavas conhecer. Apaixonei-me pela tua coragem, pelo teu sorriso desafiador, pelo teu olhar e as tuas sardas e depois, pela história de já me saberes antes de eu saber de ti. Depois fui-me apaixonando cada vez mais até só ter os meus olhos verdes para ti. Tinha 15 anos quando vivi a minha primeira história de amor a sério. Depois parti.

Poderia ter terminado aqui a nossa história de amor mas... Treze anos depois reencontramo-nos. Ambos saídos de histórias de amor sem final feliz, perdidos no que queriamos e como queriamos. Apaixonamo-nos novamente e talvez acreditando um pouco que ainda eramos aqueles dois adolescentes, tão sedentos de experiências novas, sem compromissos, sem grandes responsabilidades, com o futuro todo em aberto e esperança ao rubro. Desde aí, já passaram 7 anos. Esta história não tem sido sempre feliz. Substituimos o Liceu por uma casa. Os cadernos da escola pelas contas, as faltas às aulas possiveis de dar por discussões, os exames de final de ano pelas responsabilidades, as festas e saídas à noite por passeios no parque... Sete anos, um filho de 3 anos e uma menina a caminho.

Eu sei que não tem sido fácil. Depois daqueles miúdos de Liceu tanta coisa, tanta gente passou por nós. Nunca poderiamos ser os mesmos. E durante estes 7 anos também tanta coisa aconteceu. Tanta coisa boa e má aconteceu que também já não somos os mesmos. Nos próximos anos quero que sejamos juntos outras pessoas... melhores, mais felizes, mais amantes, mais apaixonados pelos os olhos um do outro que esses sim, espero eu, tenham sempre o brilho da primeira vez.

Eu sei que não tem sido fácil. Eu já não sou aquela menina. Por vezes dou por mim á procura daquele teu olhar à procura dos meus olhos verdes numa rua qualquer.

tags:

Escrito por zita às 16:51

link do post | comentar | favorito
|

Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


tags

todas as tags