posts recentes

...

21 anos de nós 2... 4 ano...

Os homens deviam nascer m...

Vai correr tudo bem

Eu sei que não tem sido f...

O meu primeiro dia de esc...

Aqui vamos nós

A magia da arte

A caminho

Mães quase perfeitas

Laçada#1

Dizem que os opostos se a...

Simplicidade

Há muito tempo...

Limites

Há dias assim...

A Vida de Adèle

Objectivos#6

Aprender a amar(-me)

Objectivo#5

arquivos

Fevereiro 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Sábado, 19 de Julho de 2014

A Vida de Adèle

 

Podia ser o filme da minha vida ou de tantas outras pessoas. Podia ser a história do primeiro amor de muita gente. Independentemente deste filme falar do amor entre duas mulheres, mais do que isso, ele fala do primeiro Amor. Da importância e do peso que ele tem na nossa vida e na forma como nos construimos e crescemos face a tudo o que ele envolve. A primeira vez que dois corpos dançam extasiados pelo prazer e embriagados do cheiro de quem se ama, do toque de quem se ama, do olhar de quem se ama... jamais se esquece. Sentir a primeira vez o amor, por muito imaturo que ainda se seja, é um marco na vida. A descoberta dos sentidos, do corpo e do prazer pela primeira vez, é um turbilhão na vida de um(a) adolescente. E, a meu ver, nunca será igual a outro! Não será melhor nem pior... simplesmente diferente. A primeira vez que se ama, e se descobre o caminho para lá chegar, também se descobre a dor. Dois sentimentos tão fortes lado a lado que nos atiram para a primeira constatação do efémero. O primeiro amor quase sempre acaba numa dor jamais sentida de igual forma. Também não quer dizer que seja maior ou menor... simplesmente diferente. E a verdade mais bonita desta história é que, mais do que a descoberta, mais do que a perda, o caminho continua. Nunca mais somos os mesmos. Nem melhores, nem piores... simplesmente diferentes. 

tags:

Escrito por zita às 13:46

link do post | comentar | favorito
|

Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


tags

todas as tags