posts recentes

...

21 anos de nós 2... 4 ano...

Os homens deviam nascer m...

Vai correr tudo bem

Eu sei que não tem sido f...

O meu primeiro dia de esc...

Aqui vamos nós

A magia da arte

A caminho

Mães quase perfeitas

Laçada#1

Dizem que os opostos se a...

Simplicidade

Há muito tempo...

Limites

Há dias assim...

A Vida de Adèle

Objectivos#6

Aprender a amar(-me)

Objectivo#5

arquivos

Fevereiro 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

(A)tipicamente Português

 Uma criança, acompanhada pelos avós, na praia debaixo de uma arriba. Os três testam a sorte ou a fama, depois das notícias e comentários arrepiantes sobre a tragédia na praia algarvia. Ela, a avó, na casa dos sessenta anos, tem um fato-de-banho lilás que esconde mal o excesso de peso, o cabelo mal-tratado pelos anos e sentada numa cadeira de praia, de pernas abertas, bebe cervejas de garrafa (pressuponho que haverão mais naquela geleira enorme), que depois de vazias, o neto enche com areia na tentativa de quebrar a monotonia. Ele, o avô, também na casa dos sessenta anos, tem uma cana de pesca... a única forma de pescar mais um pouco de paciência e estômago para aguentar cada vez que ela tira a dentadura da boca e fica a olhar para ela.


Escrito por zita às 14:01

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2009

Observa(ções)

 Na outra mesa da esplanada ela esconde as lágrimas por detrás dos óculos de sol. Ele pousa as mãos na mesa à espera das dela e sem resposta cruza os braços e coloca os olhos no chão. Tenta várias vezes repetir o gesto da procura das mãos dela sem resposta. Só duas chávenas de café já vazias poderiam contar o que se fala na outra mesa da esplanada. 


Escrito por zita às 23:08

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Agosto de 2009

Ego(ísmos)

Hoje era um bom dia para chegar a casa, descalçar-me, vestir a peça de roupa mais confortável, não fazer jantar, picar qualquer coisa, deitar-me no sofá, abrir um livro,  ligar a minha música e  ficar só comigo. Mas, tendo em conta que, amanhã às 19 horas entro de férias e ainda tenho algum trabalho por organizar, vou passar mais umas horas frente ao portátil e, por volta das 23.30h, vou buscar uma amiga minha ao trabalho... que eu sei como custa sair tarde do trabalho, apanhar transportes e acordar cedo no dia seguinte; porque gosto dela; porque posso... perfeitamente abdicar, mais um dia, do meu egoísmo ;)


Escrito por zita às 21:20

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 15 de Agosto de 2009

In(sónia)

 Não houve um dia desta semana que passou que tivesse dormido bem. Ontem bebi um copo com uma amiga para desanuviar e deitei-me por volta das 2 da manhã. São 7.40 e não consigo dormir.


Escrito por zita às 07:41

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Agosto de 2009

Nem sempre...

... as palavras saiem. Nem sempre as palavras têm o tom certo. Nem sempre elas são transparentes como gostariamps que fossem. Nem sempre as palavras são o melhor modo de dizer o que sentimos. Nem sempre há palavras para descrever sentimentos. Quase sempre escolhemos as palavras erradas... O silêncio como opção, permite não nos engarnarmos nem engarmos os outros, O silêncio é o escape ilusório, rápido e eficaz, que não permite dar forma aos sentimentos mais dolorosos. Nem sempre se quer falar do que doi... quando se sabe que nada vai mudar o que durante anos não transfomamos em palavras. Nem sempre se quer partilhar a dor quando se ama e quando a dor foi durante anos maior que o amor. Nem sempre sabemos se um dia passa. Nem sempre sabemos porque entra o silêncio pela porta e nos deixa mudos de dor... mas a única coisa que queremos é que há-ja sempre alguém que feche essa porta, nos faça rir, nos faça voltar ao presente, nos faça encontrar palavras... de amor.


Escrito por zita às 23:04

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 12 de Agosto de 2009

Se...

 ... tivesse tentado mais uma vez; Se tivesse arriscado mais um beijo; Se tivesse dado mais um abraço; Se tivesse pedido mais desculpas mesmo quando não havia culpa; Se tivesse ficado mais uma vez; Se tivesse corrido mais uma vez atrás; Se tivesse ligado mais dias; Se tivesse sorrido mais; Se tivesse falado mais; Se nunca mais tivesse partido; Se tivesse ficado mais tempo; Se... eu podia mais uma vez... tu também podias mais!!!


Escrito por zita às 18:44

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2009

De mulher... para mulher

Naquelas alturas do mês em que sem percebermos ficamos mais sensiveis, mais cabisbaixas e só nos apetece chorar à minima coisa... um homem reclama... Uma mulher olha para nós, ouve-nos e depois diz:

 

- Está para te vir o periodo não é? Deixa lá... Eu também fico assim.

 

(prepara uma amendoa amarga com bastante gelo e limão - como gostamos - e com tão pouco faz muito :)


Escrito por zita às 22:40

link do post | comentar | favorito
|

Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


tags

todas as tags