posts recentes

...

21 anos de nós 2... 4 ano...

Os homens deviam nascer m...

Vai correr tudo bem

Eu sei que não tem sido f...

O meu primeiro dia de esc...

Aqui vamos nós

A magia da arte

A caminho

Mães quase perfeitas

Laçada#1

Dizem que os opostos se a...

Simplicidade

Há muito tempo...

Limites

Há dias assim...

A Vida de Adèle

Objectivos#6

Aprender a amar(-me)

Objectivo#5

arquivos

Fevereiro 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Quinta-feira, 27 de Março de 2008

Hoje...

 

... se vivesse sozinha, chegaria a casa, abriria uma garrafa de vinho tinto, enchia a banheira, bebia do vinho ao som de uma musiquinha, fumava um cigarro e só acordaria amanhã. Como, infelizmente, estou em casa dos meus pais onde não se fuma e quase não se bebe, fico-me pelo duche e cama logo a seguir. Hoje nem tenho estômago para jantar.


Escrito por zita às 17:26

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Março de 2008

Confesso#1

Se passar por mim na rua, uma estrela de cinema hollywoodesca, eu nem vou dar por ela porque, normalmente, estou mais preocupada em ver qual o buraco maior existente entre as pedras da calçada Lisboeta possivel de me ficar com o sapato de salto alto. Confesso... tenho pânico de um dia ficar por aí com um sapato no pé e outro na mão.


Escrito por zita às 15:45

link do post | comentar | favorito
|

Receio que...

... a paixão tenha idade para se instalar, que necessite de certas e determinadas condições para (sobre)viver, para não mais partir, para durar mais que uma noite, um mês, um ano. Receio que não seja compatível com a idade adulta, com a estabilidade que se pretende financeira e emocional, com o quotidiano, com as diferenças, com os obstáculos, com os altos e baixos da vida. Receio que não seja possivel trazê-la para dentro de quatro paredes e obrigá-la a conviver com pratos e roupa suja. Receio que tenhamos que optar entre a paixão e o amor. Receio que tenhamos um limite de idade para escolher. Receio que ao longo dos anos deixemos de ser seduzidos, conquistados, arrebatados, puxados, atirados, surpreendidos, desejados...


Escrito por zita às 10:43

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Março de 2008

Para além da nicotina...

... ganhei mais um vício...

 

 

 Porquê que eu experimentei... porquê?

 


Escrito por zita às 09:59

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 22 de Março de 2008

Ciclos

Mais uma Primavera! E depois da Primavera virá o Verão... e depois do Verão o Outono... e depois do Outono mais um Inverno... e assim sucessivamente. Chega a ser irritante o facto de quase tudo ser tão previsivel, chega a ser aborrecido sabermos de antemão que "faz parte da vida" o bom e o mau. Já sabemos que há sempre lugar para mais amigos, que há sempre lugar para novas paixões, que há sempre lugar para um emprego novo, que há sempre lugar para um desafio... sabemos também de antemão que a morte é inevitável, que as perdas, as derrotas, os desamores e as desilusões farão sempre parte do nosso ciclo da vida.


Escrito por zita às 12:24

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Março de 2008

Especial....

... aquele que, no Dia do Pai, oferece um presente à mãe por esta ter sido e continuar a ser mãe e pai ao mesmo tempo :)


Escrito por zita às 12:52

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 19 de Março de 2008

Constatação#1

Não existem pessoas totalmente más nem existem pessoas totalmente boas (pelo menos é nisso que eu acredito hoje independentemente do que acreditei ontem ou no que acreditarei amanhã). Existem sim, pessoas e/ou situações que despertam o nosso lado bom e existem pessoas e/ou situações que despertam o nosso lado mau.


Escrito por zita às 17:21

link do post | comentar | favorito
|

Música(lidades)#8


Escrito por zita às 16:30

link do post | comentar | favorito
|

TEA TIME

Ontem já ía a caminho de casa quando uma amiga me ligou para irmos beber um chá e colocar a conversa em dia. Vai de nos sentarmos num café da Baixa, pedir uns scones e um bule de chá com DUAS CHÁVENAS (dado que já conheciamos o sítio, os bules, o chá e sabiamos perfeitamente que um bule daria para duas ou mais pessoas). Colocada a conversa em dia, pedimos a conta e constatamos que nos cobraram mais 0.20€ por uma das chávenas. Vai de confrontar os empregados, vai de chamar o gerente, vai de este devolver os 0.20€ sem qualquer argumento que justificasse o tal valor no talão... Ai se uma pessoa não vê... é comido cá com uma pinta!!!

 

 

 


Escrito por zita às 13:04

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Março de 2008

A culpa é das mãezinhas?

Não é teoria comprovada eu sei... mas nas reuniões secretas femininas que eu e as minhas amigas realizamos em noites de lua cheia ao sabor de vinho tinto, rodeadas de velas e sacrificios animais (isto dos sacrificios é mentira) chegamos as conclusões tão semelhantes quanto assustadoras sobre o bicho homem (Já agora um à parte para aqueles que julgam que nós mulheres, quando nos juntamos é só para falar mal dos homens. Nada disso. Acho até que há algumas mulheres que preferem mentir e dizer maravilhas do(s) seu(s) homem(s) a ter que dizer mal). Resumindo, não falamos mal, trocamos experiências, queimamos as roupas deles enquanto dizemos frases mágicas (ahahahah... mais uma mentirinha. Sinto que estão quase a acreditar). Digamos que funcionamos como uma espécie de cientistas à procura da fórmula mágica que nos permita entender nem que seja um pouco o bicho. Perceber porque continuam eles a dizer, ainda na casa dos 30: "- A minha mãe faz." / "- A minha mãe disse." / A minha mãe tem." / "- A minha mãe..." /  "- A minha mãe..." /  "- A minha mãe..." /  "- A minha mãe..."

E o amor tem coisas tão estúpidas ao ponto de nos fazer acreditar que aquilo é tudo amor pela mãe, que é uma questão de carinho, de calor familiar... ao invés de um tremendo comodismo... um pretexto para não lavarem a roupa, para não tratarem de burocracias, para justificarem os atrasos, para não terem que ir ao médico, para não nos levarem a passear, para não nos deixarem ser, de vez em quando, um pouco mais "relaxadas" e desligadas das coisas que as mães deles tão bem se inteiram. Nessas reuniões não se chega a conclusão alguma (até agora mas...as fórmulas levam anos a descobrir...) na volta também é uma desculpa para sairmos um bocadinho e voltarmos cheias de saudades e fazermos-lhe todas aquelas coisas que as mães não podem fazer.


Escrito por zita às 15:53

link do post | comentar | favorito
|

A última aquisição

 

Uns sapatinhos que foram uma pechincha tão grande que receio que vão ser como uma paixão... intensa e fugaz.


Escrito por zita às 15:44

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Março de 2008

Ninguém é perfeito

É a desculpa para os erros que se cometem consciente ou inconscientemente. É o pretexto para se magoar volutária ou involuntáriamente. É a (in)justificação para o estado do planeta. É a desculpa para não se pedir desculpa e se perguntar com ar inquisidor: “- Mas tu nunca erras, é?”
Não, ninguém é perfeito! Mas há os que pensam duas ou mais vezes antes de falar. Mas há os que pensam duas ou mais vezes antes de agir. Perde-se a espontaneadade é certo... mas ganha-se paz de espírito.


Escrito por zita às 16:44

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 10 de Março de 2008

As mulheres da minha vida...

... que não lembro só no dia 8 de Março - Dia Internacional da Mulher, mas que fazem parte de mim porque me marcam ou marcaram pela experiência de vida partilhada, vivida e sentida num determinado espaço ou tempo e para sempre gravadas em mim como exemplos de grandes mulheres: Ana - pelo amor incondicional; Antónia - pela determinação; Tica - pela alegria; Irene  -  pela força; Ofélia - pela generosidade; Maria Oliveira - pelo sacrifício; Cila: pela esperança; Maria do Rosário - pela coragem; Elisabete - pela paciência; Sandra - pela sinceridade; Marta: pelo desafio; Mónica: pelo dom do perdão; Alda - pelo carinho; Graça: pela sabedoria... São também mulheres da minha vida as minhas primas e as minhas amigas, por tudo o que temos em comum e de diferente e que nos faz crescer em cada partilha!!!


Escrito por zita às 13:13

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 6 de Março de 2008

Comprimidos para a memória

Gostava muito, muito mesmo que houvesse por aí uns comprimidos para a memória... em excesso! Comprimidos para esquecer pessoas que não valem o espaço que ocupam na minha memória, para esquecer cheiros de pessoas e de sítios, comprimidos para esquecer saudades ridÍculas (entenda-se por saudades ridículas, aquelas que temos de pessoas de quem gostamos pelo o que nos deram no passado e não pelo o que nos dão no presente), comprimidos para quem se lembra só das coisas boas e não consegue manter o ódio (?) activo mais de 24 horas (e se calhar às vezes até era bom para não cairmos no mesmo erro vezes sem conta), comprimidos para quem não esquece as coisas boas que às vezes são mais que as más e não nos permite seguir em frente ou mudar de rumo.

A memória trai-me com aquilo que não consigo esquecer. Porque queria sempre que as memórias fossem só memórias boas. Porque, apesar de ficar magoada, eu não consigo esquecer o bom nem o mau então, às vezes fico sem saber muito bem o que sentir, o que fingir que apaguei, o que esquecer (mesmo correndo o risco de me magoar vezes sem conta), o que guardar na memória porque... há coisas que não quero mesmo apagar.


Escrito por zita às 12:59

link do post | comentar | favorito
|

Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


tags

todas as tags